quinta-feira, 23 de maio de 2013

Aramil recomenda: Dungeons and Dragons Online - Parte I

Bom dia, caros frequentadores desta Taverna. Hoje trago uma recomendação do meu jogo online favorito: Dungeons and Dragons Online, ou DDO. Como resenhas pressupõe certa imparcialidade, esta NÃO é uma resenha. Esta é uma indicação clara do que gosto no jogo e, portanto, está cheia de "parcialidades".



DDO é um MMORPG baseado na ambientação de Eberron e também em Forgotten Realms. Mas como assim, nas duas ambientações, vocês me perguntam?

Resumindo a história, o jogo começou apenas no ambiente de Eberron. Mas, no ano passado a ambientação de Forgotten foi introduzida também no jogo e para não dar nenhum spoiler (a história de como isso acontece é bem legal) é só isso que direi. Mas um aviso, Forgotten Realms é uma expansão paga do jogo e só personagens de nível 15 em diante podem ir para lá.

Acredito que a maioria do jogadores de D&D conhecem Forgotten. Já Eberron é menos conhecido. Eu mesmo não conhecia, mas fui aprendendo sobre este cenário no próprio DDO e acabei gostando demais. Ele tem um ar meio "steam punk" meio fantasia, mas com muitas coisas similares com o que estamos acostumados.  Muito legal no meu ponto de vista.

DDO é baseado nas regras 3.5 de D&D e como eu comecei a jogar RPG de mesa com a versão 3.0 do D&D e depois passei para a versão 3.5 e, basicamente, fiquei por aí, já que gostei muito da mecânica do jogo, talvez por isso este MMO tanto me cativou por 2 anos e meio. Mas note que ele é apenas baseado nas regras 3.5. Existem muitas modificações que foram feitas para que funcionasse como um MMO. Por exemplo, você encontrará as mesmas magias da versão 3.5, como bola de fogo, proteção contra elementos, muralha de fogo etc. Mas bola de fogo no DDO não causa 1d6 de dano e sim 1d3+3 por nível de conjurador (ela fica mais poderosa).

Alguns podem considerar desvantagem que DDO só está disponível em Inglês, Alemão e Francês, mas para mim, isso é bom, já que não preciso ser submetido às abomináveis traduções de nomes que afligem jogos traduzidos para o português. Por outro lado, se você não entende Inglês, ficaria muito difícil jogar. Não impossível, mas difícil.

DDO funciona diferentemente de World of Warcraft e outros MMO que conheço. No DDO, o jogo é dividido basicamente em 4 tipos de lugares: 

Lugares públicos: onde você vê todos os outros jogadores que estão lá; você pode conversar com todos, vender coisas, fazer trocas. Mas não pode lutar com outros jogadores (PvP).

Fim de tarde no "Marketplace", área pública central em Eberron.
Áreas selvagens: campos abertos de exploração, mas que você pode entrar com, no máximo, 6 pessoas (número máximo de pessoas em um grupo normal). Nestas áreas, existem 3 tipos de objetivos: explorar todos os pontos de interesse no mapa, achar todos os monstros raros e matar os monstros comuns. Também não existe PvP aqui.

Visão aérea de uma parte da área de exploração "Three Barrel Cove", refúgio dos piratas! (Níveis 5 a 7)

Outra área de exploração "The Vale of Twilight" (Níveis 16 a 18)

Quests: todos os quests se passam no que eles chamam de "instanced dungeons", ou seja, quando você entra em um quest, o jogo cria uma versão daquele quest só para você e seu grupo (se estiver em um grupo). Mesmo se outras pessoas estiverem fazendo o mesmo quest ao mesmo tempo, isso não interfere em você e no seu grupo. Sem PvP também. Alguns quests especiais mais difíceis, chamados "Raids" permitem grupos de 12 jogadores.

Arraetrikos, Lorde das Profundezas: chefe de uma das Raids mais legais: "The Shroud"
Arraetrikos soltando uma Bola de Fogo Controlável na cara do Rilama (meu personagem principal) na sua vida de Bardo.


Áreas de briga em tavernas: é exclusivamente dedicado ao PvP, e somente ao PvP. DDO é um jogo voltado 99% para PvE ("Player vs Environment") e colaboração entre personagens, então o PvP aqui é muito fraco. Se você gosta de PvP, este NÃO é o jogo para você.

Outra característica do jogo é que ele é GRATUITO*. Qualquer um pode fazer o download e começar a jogar sem custo algum. Qualquer um pode chegar até o nível máximo (25 até o momento, mas subirá para 28 em breve) sem pagar nada. Qualquer um pode adquirir todos os pacotes de aventura e todas as raças e classes eventualmente.

*Agora atenção: isso exige muuuuuuuuuuuuuiiiiiiito tempo livre e muito "grinding" e repetição. Você perderá sanidade ao acessar tudo sem comprar nada. Mas é possível jogar gratuitamente, como explicarei abaixo:

Todas a "quests" de níveis 1 e 2 e a maioria das "quests" de nível 3 são realmente gratuitas. No nível 4 metade delas é gratuita e no nível 5, apenas cerca de 1/3. Assim, até o nível 5 existem 49 "quests" totalmente grátis. A partir daí elas vão rareando, tornando o ganho de xp mais difícil. Assim, é possível chegar ao nível 5-6 facilmente.

Como este post já ficou grande demais, na semana que vem trarei a Parte II sobre DDO onde explicarei como você pode comprar aventuras adicionais sem gastar um tostão ganhando pontos através de Favor! Na parte III explicarei um pouco sobre geração de personagens e sua bela complexidade! Se quiserem adiantar o assunto, visitem a DDOwiki, o melhor lugar para obter informação sobre DDO.

Ah, esqueci de mencionar que todas as imagens exceto a primeira foram tiradas por mim ao jogar o jogo. Esperem mais imagens nos próximos posts.


quarta-feira, 8 de maio de 2013

Caboclo Sete Encruzilhadas: Árvores - Freixo

Saudações leitores. Há muito tempo atrás Caboclo Sete Encruzilhadas, o druida de nossa Taverna, iniciou uma série sobre árvores, que continuará aqui.

Longos dias e belas noites. Hoje beberemos da fonte do conhecimento da natureza e comungaremos com um de seus filhos, o espiritual Freixo (Ash, em inglês).


Lendas do Freixo:

  • Para os druidas, possui ligação com o elemento Ar (principal) e Fogo (secundário), fortemente associados com Ressurreição e Renovação.

  • Sua grande altura simboliza a ligação do Céu com a Terra

  • Alguns dizem que Yggdrasil, a Árvore do Mundo na mitologia nórdica, era um freixo

  • Guardião dos crianças e fonte de cura, para os druidas.

  • Na astrologia druídica, os nascidos sob o signo do Freixo, o Encantador (18 fev. - 17 mar.) são espíritos livres, imaginativos e artísticos. Estão em um constante estado de auto-renovação, transformação.

  • Diz-se que uma pequena cruz feita de madeira de freixo previne afogamento em mar aberto.

  • Chaves de madeira de freixo protegem contra energias negativas.

  • Varinhas de madeira de freixo são capazes de curar ou encantar pessoas.

  • Folhas do freixo, colocadas embaixo do travesseiro, trazem sonhos proféticos.

  • Doenças mais sérias podem ser curadas pelo seguinte ritual: um profundo buraco é escavado no tronco de um freixo vivo e coloca-se um pequeno roedor dentro dele. Então o buraco é selado com o roedor dentro. As folhas ou ramos desta árvore são colhidos e esfregados nos enfermos, e possuem poder curativo enquanto o animal viver.