quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Canções de Taverna: Cover - The Dragonborn Comes

Cheguem mais perto amigos, e deixem-se envolver na magia da música diante da lareira da Taverna. Mas cuidado, ela é mais intoxicante que nosso famoso hidromel...

Havia uma barda talentosa que se apresentava aqui, ocasionalmente, e mantinha um Cancioneiro. Na sua (longa e indefinida) ausência cabe a mim apresentar as canções desta Taverna. Não sou bardo, nem ousaria ser, mas felizmente só preciso apresentar os talentosos Mestres das Canções.

Nunca joguei Skyrim (ou os outros jogos das Elder Scrolls), mas esse mundo possui canções lindas, como podem ver abaixo. Escutá-las 10 vezes seguidas ainda não foi suficiente para saciar meus ouvidos.

É curioso como a vida funciona às vezes. Encontrei estas canções totalmente ao acaso (a máscara do destino) perambulando pelo fórum do DDO, aprendendo sobre códigos BB.








Estas belas canções, e outras, estão disponíveis gratuitamente direto do Cancioneiro da autora.


Cantemos, então, The Dragonborn Comes:

Our Hero, our Hero, claims our warriors hearts
I tell you, I tell you, the Dragonborn comes
With a Voice wielding power of the ancient Nord art
Believe, believe, the Dragonborn comes

It's an end to the evil of all Skyrim's foes
Beware, beware, the Dragonborn comes
For the darkness has passed, and the legend yet grows
You'll know, you'll know, the Dragonborn's come
Dovahkiin, Dovahkiin
Naal ok zin los vahriin
Wah dein vokul mahfaeraak ahst vaal
Ahrk fin norok paal graan
Fod nust hon zindro zaan
Dovahkiin, fah hin kogaan mu draal

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Zook Apresenta: Progress Quest - uma paródia interessante


E aí pessoal, tudo em cima? Hoje trago notícias de um jogo de RPG online muuuuuuuuuuuuuuuuito bom:

PROGRESS QUEST

O melhor jogo de RPG de todos os tempos. Você terá aventuras incríveis neste mundo virtual cheio de perigos, magias e monstros inesquecíveis.

Você terá que cumprir objetivos épicos, como:
  • Entregue este palito de dente
  • Busque uma agulha
  • Extermine as Escoteiras
  • Aplaque o Cão Teleportador
  • Encontre o Corselete de Ouro
Itens mágicos poderosos estão esperando para serem encontrados, como:
  • Elmo de Macramê -1
  • Um laço
  • Um pedaço afiado de madeira
  • Uma armadura de couro corroída -3
  • Uma tela em branco para pintura
Mas não é só isso. Magias inimagináveis também estão ao alcance de todos:
  • Névoa Revoltante
  • Dedo Gosmento
  • Ligeireza
  • Enjôo Marítimo
Mas o melhor de tudo são as opções de criação de personagens. Nunca houve tanta diversidade de raças em um único jogo. Se você sempre quis jogar como:
  • Uma Lula Terrestre
  • Uma Motocicleta Encantada
  • Um Trans-Kobold
  • Um Anão Menor
  • Um Gyrognomo
  • Um Meio-Humano
  • Um Wookiee Duplo
  • Um Demicanadense
Então este é o jogo para você.

E para complementar esta salada-mista de raças, as classes disponíveis estão em nível de igualdade quanto à variedade:
  • Princesa Vudu
  • Monge Robô
  • Mímico-de-Cócegas
  • Envenenador Lento
  • Lunático Bastardo
  • Guerreiro/Organista
  • Cavaleiro do Canivete
Este jogo automatiza tudo o que os antigos RPGs de mesa traziam de ruim:
  • Não é necessário ler nenhuma regra
  • Não é preciso entender nenhuma mecânica de jogo
  • Não é necessário rolar nenhum dado
  • Não é necessário escolher nenhum nome ou gerar nenhum histórico para seu personagem
O jogo é extremamente leve, ocupando somente 315kB do seu disco rígido. Pode ser jogado no Modo Single Player (Offline) ou no Modo Multiplayer (Online).

E o melhor de tudo: este jogo é totalmente GRATUITO, com todas as raças e classes já disponíveis.

O que você está esperando, baixe o jogo AGORA neste link.

Eu já baixei e não me arrependi. Agora estou indo jogar com Kriexyuck, minha Moto Encantada Monge Robô.

Também é possível jogar diretamente do seu navegador através deste link.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Migração dos Anões de Tolkien



Este final de semana assisti ao Hobbit na televisão. Não gostei das mudanças na história, mas isto não vem ao caso. O motivo deste post é que assistir ao filme me incentivou a reler o Hobbit. E ao reler este incrível livro, cheguei até um trecho no primeiro capítulo que me chamou atenção. Neste trecho Thorin está explicando para Bilbo um pouco da história dos anões:

"Muito tempo atrás, no tempo de Thror, meu avô, nossa família foi expulsa do extremo Norte, e ela voltou, com todas as suas riquezas e ferramentas para esta Montanha no mapa [Erebor]. Ela havia sido descoberta pelo meu ancestral distante, Thrain, o Velho...".

Eu não me lembrava dos anões terem habitado ao Norte de Erebor, então fui pesquisar um pouco da interessante história dos anões no legendário de Tolkien. Eis o que decobri sobre os Barbas-Longas (use o esquema da genealogia dos anões para acompanhar a história):


Durin VI era Rei dos Anões em Khazad-dûm (Moria). Foi durante seu reinado que os anões despertaram o Balrog. Esta criatura (Durin's Bane) matou Durin VI e, posteriormente, seu filho, Nain I. Então Thrain I (também conhecido como Thrain, o Velho), filho de Nain I, abandonou Khazad-dûm e levou seu povo para o Norte, até Erebor, onde ele fundou o Reino sob a Montanha.

Ao contrário do que o filme sugere, foi Thrain I que encontrou a Arkenstone sob Erebor. Ele e seu povo prosperaram em Erebor. Após sua morte, seu filho, Thorin I, levou os anões para o Norte, até as Ered Mithrin (montanhas cinzentas) e abandoram Erebor. 

Os anões prosperaram nas Ered Mithrin até a época de Nain II (bisneto de Thorin I), quando foram assolados por dragões. Os ataques de dragões continuaram até o reinado de Dain I, que foi morto por um dragão. O primogênito de Dain I, Thror, voltou até Erebor com uma parte do povo anão e estabeleceu novamente o Reino sob a Montanha. O filho mais novo de Dain I, Gror, levou a maior parte dos anões para Colinas de Ferro, apesar de Thror continuar a ser o Rei dos Anões. E Thror é o avô de Thorin II (Escudo de Carvalho).

Então a passagem do Hobbit, no início deste post, se referia a esta migração dos Anões.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Caboclo Sete Encruzilhadas: Árvores - Olmo

Nobres viajantes, sentem-se ao redor da fogueira e ouçam a sabedoria do Caboclo Sete-Encruzilhadas sobre o majestoso Olmo. Quem sabe algumas destas lendas inspirem suas próprias aventuras...

"O Olmo é o Árbitro que ouve sem julgamento"


O poderoso olmo está ligado ao planeta Saturno e ao elemento água, auxiliando os conjuradores elementais especializados neste elemento.

Está árvore está intimamente ligada às energias femininas, e varinhas de madeira de olmo são mais poderosas nas mãos de mulheres.

Elmos, escudos ou até mesmo armaduras de madeira de olmo são boas proteções contra relâmpagos, naturais ou mágicos.

Para os divinadores, meditação embaixo de um olmo auxilia no contato com os espíritos da natureza. As lendas também relatam que furar um folha de olmo e colocá-lá embaixo do travesseiro traz sonhos proféticos.

Para curandeiros, gravetos de olmo podem ser utilizados para se acender um fogo mágico pelo seguinte ritual: dois pedaços de madeira de olmo devem ser esfregados até que peguem fogo. Este fogo, então, deve ser usado para acender uma fogueira (de qualquer tipo de madeira), cuja fumaça pode auxiliar na cura de algumas doenças.

Caixões de madeira de olmo eram comumente usados no passado, já que lendas diziam que esta árvore também estava presente no submundo. Talvez ela servisse como âncora ou barreira para impedir a volta dos mortos...ou até mesmo uma passagem para os vivos até lá.

Algumas lendas druídicas dizem que os olmos são os lares das fadas, enquanto outras lendas dizem que os olmos estão presentes nas encruzilhadas que levam ao mundo das fadas. Resta a vocês, aventureiros, descobrirem...

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Zook apresenta: A Balada de Bilbo Baggins

Caros amigos,

Assistam ao vídeo abaixo por favor.



Só há uma coisa a dizer e aposto que estão pensando nisto também:

WTF?!

Agora rolem sanidade...

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Zook apresenta: Flechada no Joelho

E aí, Pessoas Grandes, como estão? Faz tempo que não trago umas boas risadas. Então aí vai um relato muito interessante sobre Skyrim e Flechas no Joelho. Sinto cheiro de uma conspiração!

Se quiserem legendas em português, façam o seguinte:
- Sigam o link do video ou deixem em formato de tela inteira o video abaixo
- Cliquem no botão Ativar Legendas embaixo do video;
- Cliquem em Inglês (Legendas Automáticas)
- Cliquem em Traduzir Legendas Beta
- Selecionem Português

A tradução é automática (e, portanto, sofrível), mas ajuda um pouco.

Bom divertimento.


segunda-feira, 17 de junho de 2013

Aramil recomenda: Dungeons and Dragons Online - Parte III

Bom dia viajantes. Estou aqui para discutir a terceira e última parte sobre DDO: criação de personagens.

Tenho aqui algumas dicas para quando forem criar seu personagem (que teriam me ajudado quando criei o meu):


  • Na hora da criação do seu personagem eu sugiro fortemente escolher a opção PERSONALIZAR. Repito, sugiro fortemente. Atualmente as opções pré-criadas são, digamos, trabalho de não-elfos, ou seja, um decepção total. Claro que elas servem para jogar no modo normal até o nível 5, mas se depois você desejar jogar em dificuldades mais elevadas ou chegar até o final do jogo, elas darão muita dor de cabeça. Claro que isso pode mudar no futuro, se um dia os desenvolvedores decidirem melhorar as opções pré-criadas.
Criar personagens no DDO: tão fácil quanto fazer amizade com um Devorador de Mentes

  • Além disso, não faça com eu fiz: tentei emular meu mago elfo do D&D no DDO. Isso não funciona bem. Aqui estão alguns exemplos:
    • Meu mago tinha destreza 14 no D&D. Isso não ajudou em nada no DDO. Ao invés disso teria sido melhor investir em força por causa dos malditos raios de enfraquecimento.
    • Meu mago tinha sabedoria 14 no D&D. Isso não ajudou em nada no DDO. Ao invés disso teria sido melhor investir em constituição (veja abaixo).
    • Meu mago tinha constituição 10 no D&D. Isso só causou muitas mortes DDO. TODO MUNDO precisa de constituição no DDO. Até meu mago elfo franzino. Como os jogadores dizem nos forums: "CON is not a dump stat". Sugiro no mínimo 14.
    • Então, para resumir: Não tente recriar seus personagens de D&D exatamente como são, exceto se você pretende jogar no modo normal e não subir muito de nível.
Minha primeira vida como mago, Rilama, o Inútil: "Se apenas tivesse feito escolhas diferentes..."

  • Na hora de pensar no seu personagem, sugiro procurar nos forums os "28 point builds" ou "first life builds". Isso porque, como este é seu primeiro personagem em sua primeira vida (sim, existe Reencarnação no DDO, explico um pouco depois), você só terá 28 pontos para gastar na habilidades e isso impede o uso de alguns builds avançados que requerem 32, 34 ou 36 pontos.  Existem muitas opções legais, desde os builds puros sem multiclasse até os complicados multiclasse multivida.
Rilama na sua vida de Bardo, com sua poderosa Espada Larga (build do link acima).

  • Outro recurso muito útil antes de criar seu pequeno avatar é um planejador de personagem. Como muitas classes de prestígio, feats e enhancements possuem pré-requisitos, é comum jogadores iniciantes chegarem em um determinado nível e perceberem que não podem pegar certa opção porque ignoraram os pré-requisitos. Este planejador ajuda

  • Por fim, só vou comentar um pouco sobre Reencarnação no DDO, que é o que realmente tornou o jogo atrativo para mim. Quando se chega ao nível 20 você tem a opção de fazer uma reencarnação verdadeira do seu personagem se desejar. Resumidamente, a Reencarnação Verdadeira (sim existem outros tipos, veja aqui) permite recriar seu personagem a partir do nível 1 mas com benefícios:
    • A cada reencarnação, aumentam o número de pontos de atributo para gastar: passa de 28 para 34, para 36 (máximo número de pontos atualmente).
    • Você ganha um feat passivo permanente de vida passada. Por exemplo, se seu personagem era um bardo e você reencarnar, nas suas próximas vidas você ganha +2 nos testes de vontade contra encantamentos. Esses feats se acumulam até 3 vezes.
    • Você mantém todo seu dinheiro e equipamento!
    • Seu Favor é resetado.
    • Para tentar deixar mais claro, vou dar o exemplo do meu personagem, Rilama:
      • Começou como Mago de 28 pontos.
      • Na segunda vida, virou Druida e passou para 34 pontos.
      • Na terceira vida, virou Bardo e passou para 36 pontos.
      • Na quarta vida, virou Artífice e continuou com 36 pontos.
      • Na quinta vida, virou um monge. Esta é a vida atual dele.
      • Portanto, meu monge tem os feats de vida passada de Mago, Bardo, Druida e Artífice.
    • Um AVISO: quando faz uma reencarnação verdadeira, a quantidade de xp para atingir o nível 20 sobe bastante (o poder tem seu preço):
      • Na sua primeira vida só são necessários 1.900.000 xp para atingir o nível 20.
      • Na sua segunda vida, são necessários 3.139.250 xp para atingir o nível 20.
      • Na sua terceira vida e nas subsequentes, são necessários 4.378.500 xp para atingir o nível 20.
Já escrevi demais. Caso alguém tenha lido até o final e tenha alguma dúvida é só deixar uma pergunta abaixo. Para quem quiser ajuda no jogo, eu jogo no servidor Khyber com meu personagem Rilama.

Boa semana

Com estas dicas logo, logo estarão derrotando diabos como este!

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Aramil recomenda: Dungeons and Dragons Online - Parte II

Boa tarde, amigos enebriados. Como prometido, segue a parte II sobre DDO (As fotos deste post foram tiradas por mim enquanto jogava DDO)

Tome um gole de cerveja na nossa Taverna e aprenda sobre DDO.

Hoje falarei sobre como jogar "de graça".

No DDO, cada aventura (quest) tem um patrono. Ao completar as aventuras, você ganha reputação com estes patronos, chamado de "Favor" no jogo.

Além disso, cada quest tem 4 dificuldades (Casual, Normal, Difícil e Elite). Quanto mais alta a dificuldade, mais Favor você ganha.

Um Abishai, um tipo de diabo voador.
Mas qual a relação disso com jogar de graça? Bem, basicamente, a cada 100 pontos de Favor total que você atinge, você ganha 25 pontos para gastar na loja do jogo (os chamados "Turbine Points" ou TP). Isso é uma das coisas que realmente acho legal deste jogo: eles te "pagam" para jogar (embora o prêmio seja pequeno).

Também existem recompensas especiais para certos marcos que são atingidos, em adição à regra anterior. Por exemplo, a primeira vez (e somente na primeira vez) que se atinge 5 pontos de Favor em um servidor, recebe-se 50 TP. A primeira vez que se atinge 25 pontos de Favor em um servidor, recebe-se 25 TP.

Então, façamos as contas supondo o seguinte cenário: existem atualmente 8 servidores, então um personagem é criado em cada servidor. Se forem atingidos 100 de favor em cada servidor, serão obtidos 1000 TP no total (existem aventuras gratuitas suficientes para atingir mais de 1000 de Favor, então é perfeitamente plausível fazer isto).

Portal usado pelos diabos na invasão do Mercado

Isso equivale a cerca de US$ 13,00 em pontos de jogo. Esses 1000 TP podem ser usado para comprar pacotes de aventura que variam de 250 TP a 1500 TP. Esta lista de pacotes de aventuras mostra os valores e detalhes de cada um.

Eu já percorri este caminho, o de atingir 100 Favor em cada servidor. Não é fácil, mas não chega a ser difícil, apenas repetitivo. O jeito mais interessante que encontrei de fazer isso foi criar diferentes classes nos diferentes servidores, o que quebrou um pouco a monotonia e dá uma ideia do que cada classe pode fazer.

Agora, se preferir, você sempre pode comprar os TP direto da loja e eu também já fiz isso.

Por fim, dou três conselhos a fim de fazerem seus suados pontinhos renderem mais:

O primeiro é esperar para comprar os pacotes quando estiverem em promoção. Toda semana sexta-feira exista uma promoção nova na loja (embora nem toda promoção envolva pacotes de aventura), e geralmente são descontos de 20%, mas em certas ocasiões podem chegar a 50%. A loja pode ser acessada diretamente de dentro do jogo.

O segundo é que comprem apenas pacotes de aventuras na loja. Existem inúmeras comodidades que podem ser adquiridas lá (muitas delas inúteis, sejamos sinceros), mas as aventuras são a alma do jogo. Ao comprar um pacote de aventura, ele vale para todos os servidores e é permanente, então todos os seus personagens podem acessá-las

O terceiro é NUNCA desperdicem TP comprando a raça Drow. Ela não é uma raça ruim (pelo contrário, ela tem várias vantagens), mas ao se atingir 400 de Favor total em um servidor, você "abre" a raça, por assim dizer, naquele servidor, ou seja, não precisa ser comprada.

Até a parte III, onde discutirei a criação de personagens.

Dragão vermelho encontrado no níveis epícos: esse bichano dá uma boa mordida!

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Aramil recomenda: Dungeons and Dragons Online - Parte I

Bom dia, caros frequentadores desta Taverna. Hoje trago uma recomendação do meu jogo online favorito: Dungeons and Dragons Online, ou DDO. Como resenhas pressupõe certa imparcialidade, esta NÃO é uma resenha. Esta é uma indicação clara do que gosto no jogo e, portanto, está cheia de "parcialidades".



DDO é um MMORPG baseado na ambientação de Eberron e também em Forgotten Realms. Mas como assim, nas duas ambientações, vocês me perguntam?

Resumindo a história, o jogo começou apenas no ambiente de Eberron. Mas, no ano passado a ambientação de Forgotten foi introduzida também no jogo e para não dar nenhum spoiler (a história de como isso acontece é bem legal) é só isso que direi. Mas um aviso, Forgotten Realms é uma expansão paga do jogo e só personagens de nível 15 em diante podem ir para lá.

Acredito que a maioria do jogadores de D&D conhecem Forgotten. Já Eberron é menos conhecido. Eu mesmo não conhecia, mas fui aprendendo sobre este cenário no próprio DDO e acabei gostando demais. Ele tem um ar meio "steam punk" meio fantasia, mas com muitas coisas similares com o que estamos acostumados.  Muito legal no meu ponto de vista.

DDO é baseado nas regras 3.5 de D&D e como eu comecei a jogar RPG de mesa com a versão 3.0 do D&D e depois passei para a versão 3.5 e, basicamente, fiquei por aí, já que gostei muito da mecânica do jogo, talvez por isso este MMO tanto me cativou por 2 anos e meio. Mas note que ele é apenas baseado nas regras 3.5. Existem muitas modificações que foram feitas para que funcionasse como um MMO. Por exemplo, você encontrará as mesmas magias da versão 3.5, como bola de fogo, proteção contra elementos, muralha de fogo etc. Mas bola de fogo no DDO não causa 1d6 de dano e sim 1d3+3 por nível de conjurador (ela fica mais poderosa).

Alguns podem considerar desvantagem que DDO só está disponível em Inglês, Alemão e Francês, mas para mim, isso é bom, já que não preciso ser submetido às abomináveis traduções de nomes que afligem jogos traduzidos para o português. Por outro lado, se você não entende Inglês, ficaria muito difícil jogar. Não impossível, mas difícil.

DDO funciona diferentemente de World of Warcraft e outros MMO que conheço. No DDO, o jogo é dividido basicamente em 4 tipos de lugares: 

Lugares públicos: onde você vê todos os outros jogadores que estão lá; você pode conversar com todos, vender coisas, fazer trocas. Mas não pode lutar com outros jogadores (PvP).

Fim de tarde no "Marketplace", área pública central em Eberron.
Áreas selvagens: campos abertos de exploração, mas que você pode entrar com, no máximo, 6 pessoas (número máximo de pessoas em um grupo normal). Nestas áreas, existem 3 tipos de objetivos: explorar todos os pontos de interesse no mapa, achar todos os monstros raros e matar os monstros comuns. Também não existe PvP aqui.

Visão aérea de uma parte da área de exploração "Three Barrel Cove", refúgio dos piratas! (Níveis 5 a 7)

Outra área de exploração "The Vale of Twilight" (Níveis 16 a 18)

Quests: todos os quests se passam no que eles chamam de "instanced dungeons", ou seja, quando você entra em um quest, o jogo cria uma versão daquele quest só para você e seu grupo (se estiver em um grupo). Mesmo se outras pessoas estiverem fazendo o mesmo quest ao mesmo tempo, isso não interfere em você e no seu grupo. Sem PvP também. Alguns quests especiais mais difíceis, chamados "Raids" permitem grupos de 12 jogadores.

Arraetrikos, Lorde das Profundezas: chefe de uma das Raids mais legais: "The Shroud"
Arraetrikos soltando uma Bola de Fogo Controlável na cara do Rilama (meu personagem principal) na sua vida de Bardo.


Áreas de briga em tavernas: é exclusivamente dedicado ao PvP, e somente ao PvP. DDO é um jogo voltado 99% para PvE ("Player vs Environment") e colaboração entre personagens, então o PvP aqui é muito fraco. Se você gosta de PvP, este NÃO é o jogo para você.

Outra característica do jogo é que ele é GRATUITO*. Qualquer um pode fazer o download e começar a jogar sem custo algum. Qualquer um pode chegar até o nível máximo (25 até o momento, mas subirá para 28 em breve) sem pagar nada. Qualquer um pode adquirir todos os pacotes de aventura e todas as raças e classes eventualmente.

*Agora atenção: isso exige muuuuuuuuuuuuuiiiiiiito tempo livre e muito "grinding" e repetição. Você perderá sanidade ao acessar tudo sem comprar nada. Mas é possível jogar gratuitamente, como explicarei abaixo:

Todas a "quests" de níveis 1 e 2 e a maioria das "quests" de nível 3 são realmente gratuitas. No nível 4 metade delas é gratuita e no nível 5, apenas cerca de 1/3. Assim, até o nível 5 existem 49 "quests" totalmente grátis. A partir daí elas vão rareando, tornando o ganho de xp mais difícil. Assim, é possível chegar ao nível 5-6 facilmente.

Como este post já ficou grande demais, na semana que vem trarei a Parte II sobre DDO onde explicarei como você pode comprar aventuras adicionais sem gastar um tostão ganhando pontos através de Favor! Na parte III explicarei um pouco sobre geração de personagens e sua bela complexidade! Se quiserem adiantar o assunto, visitem a DDOwiki, o melhor lugar para obter informação sobre DDO.

Ah, esqueci de mencionar que todas as imagens exceto a primeira foram tiradas por mim ao jogar o jogo. Esperem mais imagens nos próximos posts.


quarta-feira, 8 de maio de 2013

Caboclo Sete Encruzilhadas: Árvores - Freixo

Saudações leitores. Há muito tempo atrás Caboclo Sete Encruzilhadas, o druida de nossa Taverna, iniciou uma série sobre árvores, que continuará aqui.

Longos dias e belas noites. Hoje beberemos da fonte do conhecimento da natureza e comungaremos com um de seus filhos, o espiritual Freixo (Ash, em inglês).


Lendas do Freixo:

  • Para os druidas, possui ligação com o elemento Ar (principal) e Fogo (secundário), fortemente associados com Ressurreição e Renovação.

  • Sua grande altura simboliza a ligação do Céu com a Terra

  • Alguns dizem que Yggdrasil, a Árvore do Mundo na mitologia nórdica, era um freixo

  • Guardião dos crianças e fonte de cura, para os druidas.

  • Na astrologia druídica, os nascidos sob o signo do Freixo, o Encantador (18 fev. - 17 mar.) são espíritos livres, imaginativos e artísticos. Estão em um constante estado de auto-renovação, transformação.

  • Diz-se que uma pequena cruz feita de madeira de freixo previne afogamento em mar aberto.

  • Chaves de madeira de freixo protegem contra energias negativas.

  • Varinhas de madeira de freixo são capazes de curar ou encantar pessoas.

  • Folhas do freixo, colocadas embaixo do travesseiro, trazem sonhos proféticos.

  • Doenças mais sérias podem ser curadas pelo seguinte ritual: um profundo buraco é escavado no tronco de um freixo vivo e coloca-se um pequeno roedor dentro dele. Então o buraco é selado com o roedor dentro. As folhas ou ramos desta árvore são colhidos e esfregados nos enfermos, e possuem poder curativo enquanto o animal viver.


terça-feira, 30 de abril de 2013

πδ (pi-delta) explica: espada larga ou machado grande?

Olá fregueses da Taverna, segue abaixo mais um tratado do mecânico πδ (pi-delta).

 versus











Saudações, patronos embriagados. Hoje venho abordar um tópico que incutiu dúvida em minha mente algum tempo atrás. A dúvida começou com um bárbaro que conhecia que adorava machados grandes. Eu olhei para o machado e me perguntei: "Mas por que não uma espada larga?"

Então resolvi entrar no mundo misterioso dos dados...

Utilizando as poderosas forças da Esperança Matemática cheguei à seguinte conclusão:

Machado grande: 1d12 -> resultado médio de 6,5 com desvio-padrão de 3,45
Espada larga: 2d6 -> resultado médio de 7,0 com desvio-padrão de 2,41

Então, como muitos já sabem intuitivamente, a espada larga apresenta resultados médios maiores, mas com menores chances de atingir os extremos. Já o machado grande é o oposto: resultados médios um pouco menores e maior chance de atingir resultados extremos.

Agora, considerando as seguintes suposições: todas as jogadas de ataques acertam, exceto quando se rola 1 no d20 e todo crítico é confirmado, os danos médios para cada arma ficam da seguinte maneira:

Machado grande: 1d12 -> resultado médio de 6,825
Espada larga: 2d6 -> resultado médio de 7,35

Logo, a espada larga supera o machado grande em 0,525 de dano a cada acerto, em média.

Parece que a espada larga ganhou, mas as aparências enganam...

Estes resultados são certamente aplicáveis quando se tem um grande número de eventos. Por exemplo, em MMORPG's, inimigos com muitos pontos de vida são comuns, e um grande número de ataques são necessários para derrotá-los. Com 50 a 100 acertos, a espada larga dará de 26,25 a 52,5 a mais de dano no combate. Para "chefões" isso é especialmente importante, pois podem ser necessários muitos mais acertos.

Mas no nosso bom e velho D&D, quantos ataques são realmente desferidos contra inimigos em um combate? Para inimigos comuns ("lacaios"), geralmente são necessários poucos acertos, por exemplo de 1 a 4, dependendo do oponente. Já inimigos mais fortes ("chefões"), um número maior de acertos é necessário, mas raramente chegarão a 30 acertos, por exemplo.

Nesse contexto de amostras pequenas, a sorte desempenha um papel significativo, e os desvios das médias observadas acima são grandes, sendo que a diferença de 0,525 de dano é desprezível.

É claro que em uma sequência de vários combates, onde o número total de acertos é grande, a espada larga vencerá. Mas no D&D vivemos no momento: não importa o dano total desferido ao longo de várias lutas. O que importa é geralmente vencer o combate atual, já que a alternativa é geralmente a morte...

Logo, toda essa análise foi para dizer o seguinte: escolha a arma que preferir e se divirta com ela. As diferenças para o dano total entre elas são pequenas. Mas, obviamente, não pense desta maneira com todas as opções: entre uma adaga e um machado grande, não preciso nem dizer qual deles ganha, mesmo com um número pequeno de amostras...

Sugestões são bem-vindas e se quiserem alguma comparação específica, é só deixar um comentário abaixo.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Zook apresenta: Gandalf Fanfarrão

Olá amigos. Está na hora de mais uma postagem na nossa Taverna. Hoje o Zook (aquele Svirfneblin brincalhão que já passou por aqui antes) decidiu postar, apesar das minhas fortes objeções. Só tenho isso a dizer: eu sinto muito.

Olá pessoal, o Zook está de volta!! Eu percebi que as coisas estavam meio mortas por aqui na Taverna. Hehe.

Bem por isso resolvi mostrar que até o Gandalf tem um lado mais descontraído. Olhem ele aí embaixo curtindo o som:




Este vídeo é só uma amostra. Dizem que se você conseguir assistir ao vídeo completo de 10 horas você descobrirá a Pergunta para a Vida, o Universo e Tudo Mais além de obter a Sabedoria dos Istari. Boa sorte amigos...

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Retorno de Elgalor

Há mais de um ano foi anunciado o fim da Taverna de Elgalor (durante minhas férias do blog, para a minha surpresa!).

All good things come to an end, mas como minhas postagens nunca foram boas (é o que as estatísticas me dizem) elas continuarão e esta é minha tentativa de ressuscitar o blog.

Elgalor representou uma época diferente na minha vida, foi um mundo divertido no qual entrava uma vez por semana com amigos, que continuam amigos, mas agora separados no espaço e, às vezes, no tempo.

Então continuar este blog é meu tributo à nostalgia, ao passado, às boas risadas e a um mundo que ajudei a criar (com Aramil, o Sincero, mas Insuportável).

E para terminar, aqui está Aramil, como o imaginei: (notem o cabelo estilo He-Man)

Aramil em seus trajes de banho


Estudando seu grimório...


Pensando sobre a vida, o Universo e tudo o mais