quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Caboclo Sete Encruzilhadas: Árvores - Baobab


Bom dia aventureiros de Elgalor. Venho trazer uma nova seção aqui para o blog sobre árvores (‘mas que chato’ devem estar pensando). Sempre que vou descrever uma floresta, tenho um pouco de dificuldade em descrever quais árvores são encontradas lá. Geralmente a descrição é: “...uma floresta de carvalhos...”. Como um de meus personagens do passado foi um druida chamado Caboclo Sete Encruzilhadas, invoquei-o para mostrar algumas árvores que podem ajudar na descrição de florestas (e alguns mitos interessantes também).

Saudações irmãos espirituais. Sou Caboclo Sete Encruzilhadas. Venho trazer um pouco da harmonia da natureza para esta taverna urbana. Espero que a harmonia da natureza acabe contagiando vocês com o passar do tempo.

Toda jornada começa com um simples passo inicial e esta não será diferente. O primeiro irmão-árvore que venho trazer é o famoso baobab de Madagascar. Sua altura varia de 7 a 30 metros e seu diâmetro varia de 7 a 11 metros, mas pode chegar até a 15 metros. Seus troncos são tão grossos pois armazenam água para períodos de seca prolongada. São árvores de climas áridos e durante a estação seca perdem todas as folhas, dando-lhes aspecto de “raízes para cima”.

Esta última característica é a fonte de sua origem lendária: diz-se que quando os deuses criaram o primeiro baobab, puseram-no ao lado de um lago, em um local com bastante vento. À medida que crescia, essa árvore reparava em suas vizinhas: seus troncos longos e esbeltos, flores coloridas e folhas grandes. Um dia, quando o vento parou de soprar, deixando o lago liso com um espelho, a árvore viu seu reflexo e ficou horrorizada: suas flores eram pálidas, seu tronco era gordo e suas folhas eram minúsculas.

Assim, o baobab começou a reclamar aos deuses, sentindo-se muito injustiçado. A árvore reclamou, reclamou e reclamou até que os deuses se cansaram de sua choradeira incessante: desceram dos céus, arrancaram a árvore do chão e a colocaram de cabeça para baixo, para não ter que escutá-la.

Outros dois mitos interessantes são: se você colher uma flor do baobab, será comido por um leão; se você beber a água na qual as sementes da árvore ficaram de molho, ficará protegido de ataque de crocodilos [em termos de jogo, poderia funcionar como as magias Simpatia e Antipatia, respectivamente].
Fruto com sementes

6 comentários:

  1. Boa sacada, Aramil. Também me falta conhecimento em alguns momentos pra descrever estas coisas. Características geográficas me matam. Planalto, planície, montanha, morro, subidinha... HAhahah! Preciso pegar um livro didático de geografia.

    ResponderExcluir
  2. Hahaha, tenho exatamente o mesmo problema!

    De qualquer modo, é bom vê-lo novamente, sábio Caboclo!

    ResponderExcluir
  3. Coitado do Baobab, os deuses poderiam ter arranjado uma solução melhor, ao invés de enterrá-lo de ponta cabeça.

    Muito interessante!

    ResponderExcluir
  4. Muito legal! Vc ainda fala "uma floresta de carvalhos". E Eu que falo só "uma floresta" rss

    ResponderExcluir
  5. Certa vez vi num documentário que alguns viajantes utilizavam o tronco de um baobab morto para se proteger da chuva ou descansar, o espaço interno era semelhante a de uma pequena tenda.
    Outra árvore interessante é a sequóia gigante, ela pode viver 3.000 anos ou mais, o Caboclo deve conhecer alguma lenda sobre essa árvore também.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pelos comentários, amigos.

    @ Angela: Que legal, dessa eu não sabia. Eu já tinha ouvido falar que existe uma taverna dentro de um tronco de um baobab vivo na África do Sul (http://www.bigbaobab.co.za/), mas o Caboclo não quis comentar para não incentivar tal comportamento em Elgalor.

    As sequóias ainda terão seu espaço nesta taverna.

    ResponderExcluir