quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Aramil recomenda: The History of Middle-earth – The Book of Lost Tales 1


Prezados leitores, nesta quinta-feira inicio uma nova seção, intitulada Aramil recomenda, na qual trarei recomendações de leitura. Inicialmente será composta por cinco partes, revisando os cinco primeiros livros da séria The History of Middle-earth (só comprei estes cinco por enquanto), mas poderá ser expandida. Espero que ajude.
Este foi o box que ganhei de aniversário!

Para quem é fã de Tolkien, como eu, The History of Middle-earth – The Book of Lost Tales 1, é uma obra excelente. Este livro foi publicado após a morte do grande Mestre Tolkien e foi editado por seu filho, Christopher Tolkien.

Mas, sinto-me obrigado a fazer um aviso (principalmente aos não-elfos, de limitada capacidade mental): este não é um livro fácil de se ler, pelos seguintes motivos:

1)      Não existe versão em português (que eu conheça, pelo menos), só inglês.

2)      Os textos de Tolkien, propriamente ditos, possuem expressões em inglês obscuras, e até arcaicas. Os comentários do Christopher Tolkien são mais fáceis de ler.

3)      O livro apresenta histórias alternativas às que conhecemos do Silmarillion, podendo causar confusão em certas partes. Por vezes, existem até quatro versões de uma mesma história (com diferenças pequenas).

4)      Presença de muitos nomes e designações novas; novas relações de parentesco entre os Valar e entre os elfos. Por exemplo, Melko tinha um filho chamado Kosomot (que depois se tornaria Gothmog na mitologia final).

Então, se você está pensando em ler este livro, minha recomendação (como a de muitos outros sites) pode ser resumida pelo seguinte esquema:

Gostou do Apêndice do Senhor dos Anéis à Leia o Silmarillion

Gostou do Silmarillion à Leia Contos Inacabados

Gostou de Contos Inacabados à Leia The Book of Lost Tales 1

Bem, avisados estão, então vamos às partes boas do livro:

Todo capítulo inicia-se e termina com comentários do Christopher Tolkien, o que ajuda muito na compreensão do texto. Ele compara as discrepâncias e a evolução entre a mitologia inicial e a escrita no Silmarillion.

Existe um Apêndice de nomes no final do livro apresentando a raiz etimológica em élfico de cada nome relevante que ajuda a compreender a relação entre nomes e o significado de cada um.

Para auxiliar no inglês arcaico existem um Glossário de Palavras, Obsoletas, Arcaicas e Raras. Por exemplo, o glossário traz ‘flittermice’ = bats (morcegos); ‘lustihead’ = vigour (vigor).

O que eu mais apreciei no livro foram as explicações profundas de certas partes resumidas do Silmarillion. Na realidade, ao ler este livro, percebi que o Silmarillion realmente é um tipo de resumo da mitologia e que existia muito mais a ser explorado.

As Histórias Perdidas (Lost Tales) trazem informações interessantes do início da mitologia. Alguns exemplos incluem:

a)      Descrição dos Salões de Mandos e a revelação de que alguns homens também vão para lá após a morte. Alguns são levados às terras desoladas fora de Valinor (‘Eruman’ e ‘Arvalin’) pelo navio negro ‘Mornië’. E outros ainda são apanhados por Melko e são levados à ‘Angamandi’ (Infernos de Ferro).

b)      Presença de novos deuses (Valar) que não “sobreviveram” na mitologia amadurecida, como Makar (um tipo de deus da guerra ou barbárie) e sua irmã Meássë (um tipo de deusa da guerra ou barbárie), que eram favoráveis à Melkor (ou melhor, Melko, como é conhecido no livro), mas ainda viviam em Valinor.

c)      Indícios da origem dos homens no Oriente: uma história diz que os homens foram encontrados adormecidos em um vale (‘Murmenalda’) perto do reino do elfo negro , um mago, pelo elfo negro ‘Nuin’, que ensinou os homens a falarem. Breve descrição de uma guerra entre homens e elfos negros.

d)     Um mapa que mostra o formato de Arda, intitulado I Vene Kemen (algo com ‘O Formato da Terra’), mostrando que Arda era plana e no formato de um barco viking. Além disso, mostra também que toda a Terra-média era cercada por um Mar Exterior (‘Vai’ ou ‘Neni Erùmear’), incapaz de suportar barcos.
I Vene Kemen 
Bem, em conclusão The Book of Lost Tales 1 é um livro difícil de ler, mas muito recompensador. Para mim, mais se assemelhou a um estudo do que a uma leitura de ficção, devido à natureza fragmentada dos textos, mas com uma riqueza mitológica comparável ao Silmarillion. Então, se você leu o Silmarillion e ainda quer mais, este livro vale a pena!

10 comentários:

  1. Muito interessante mesmo! Mas preciso acabar de ler contos inacabados antes... Acho q é por isso q chama inacabados, eu nunca consigo Acabar...rssss

    ResponderExcluir
  2. Hahaha, ótima sugestão mesmo, grande mago!

    Assim que acabar de ler, gostaria de pegar emprestado!

    ResponderExcluir
  3. Deve ser mesmo um livro incrível, mas complicado... e não porque sou meio-elfa, seu elfo babaca.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado a todos. E sim, Astreya, é porque você é meio-elfa.

    ResponderExcluir
  5. Huhuhu, Aramil me chamou de meio-elfa, e não de meio-humana...

    ResponderExcluir
  6. vai para os meus indicados da semana.

    ResponderExcluir
  7. Grande Aramil!!! que Eru continue a iluminar seu caminha!!!
    excelente post!!!!!
    eu tbm sou um grande fã de Arda que pra mim é o mundo de fantasua definitivo!!!!!

    um sugestão de post seria vc posta algumas partes do livro traduzido!!!! para ajudar os irmão de armas que não possuem conhecimento da lingua inglesa... seria muitoo bomm saber + um pouca das histórias de Arda!!

    desde ja agradeço e parabéns excelente post!!!

    grande abraço!!!

    e obs: o Feanor é o persohagem mais PICADASGALAXIAS que existe!!!!

    ResponderExcluir
  8. Obrigado Miguel Ahrkanjo. É uma boa idéia para uma nova seção aqui no blog. Vou iniciar um projeto assim.
    E obrigado pela indicação, nobre Javo.

    ResponderExcluir
  9. Prezado Aramil!!!!!

    NO aguardo!!!!

    desde ja agradeço!!!

    Abraço

    ResponderExcluir