sexta-feira, 22 de julho de 2011

Histórias e Canções - Os anéis do poder (parte I)

Saudações, nobres visitantes! Depois de duas semanas de ausência, aqui me encontro novamente em uma tarde de sexta-feira, para trazer-vos um pouco mais das histórias engendradas pelo magistral J.R.R Tolkien. Neste dia, contar-vos-ei sobre a interessante história da criação dos famosos anéis de poder de Sauron, já que muitas vezes só conhecemos a história do Um Anel e ao menos sabemos como eles surgiram.

No início dos tempos, antes que os Valar entrassem em Arda, Sauron era um dos mais poderosos maiar, aprendiz de Aulë (Valar pai dos anões e exímio ferreiro). No entanto, Sauron se sentiu atraído por Melkor, ou Morgoth, tornando-se seu tentente mais fiel e sendo o segundo depois dele, mesmo quando o Vala foi derrotado e aprisionado nos confins do mundo.

Na Primeira Era, ele aparece como antagonista de Beren e Lúthien na Balada de Leithian. Após a derrota de Morgoth, os Valar intimaram Sauron a comparecer em julgamento, onde seria tratada a sua pena. Depois que ela fosse cumprida, ele seria liberto e voltaria a viver em paz. Mas, com medo, Sauron fugiu da presença deles. Por pouco tempo Sauron, talvez pela ausência de seu senhor, tornou-se razoavelmente bom. Mas na solidão e numa espécie de exílio, começou a maquinar o mal.

Então conseguiu a amizade de alguns na Terra-Média (usando a identidade de Annatar , que significa o Senhor dos Presentes), adotou uma bela aparência, e simulou amizade com os Elfos, sendo uma destas amizades o grande artífice élfico da época, Celebrimbor (Filho de Curufin que por sua vez era filho de Fëanor). A este, Sauron deu a idéia de fazer anéis muito belos, mas que tinham como característica principal um determinado poder, e com eles consertar os danos causados pela disputas dos Valar e tornar a Terra-média tão bonita quanto Valinor. O elfo aceitou.

Celebrimbor forjou, sem a ajuda de Sauron, três anéis: Narya, o Anel de Fogo, Nenya, o Anel da Água, e Vilya, o Anel do Ar. Mas, secretamente, Sauron forjou em Orodruin (Montanha da Perdição), o Um Anel, mais forte e mais poderoso que qualquer um, e nele depositou um encantamento que dava-lhe o poder de controlar todos os outros, assim como aqueles que os usassem. Com este anel, Sauron planejava controlar os demais anéis e assim ostentar todos os seus poderes. Então, Sauron invadiu Eregion e tomou os anéis feitos por Celebrimbor, distribuindo Nove aos Homens e Sete aos anões. Mas Celebrimbor descobriu os seus planos, e por isso conseguiu esconder os Três anéis que havia feito sem a ajuda de Sauron. Assim, uma nova guerra começou na qual Sauron tentou obter os Anéis restantes.

Enquanto isso, Sauron tomou para si facilmente o poder dos nove anéis dados aos mortais, e os homens que os detinham tornaram-se seus mais poderosos servos e escravos de sua vontade, os Espectros do Anel (na língua negra, Nazgûl (Nazg = anel)). Em pouco tempo, Sauron estava quase dominando a Terra-Média, chegando a aparecer perto dos Portos Cinzentos. Mas Gil-galad, o senhor daquele lugar, chamou os Númenorianos, os habitantes da ilha Númenor. Estes eram espantosamente fortes e muito hábeis, e portavam longas espadas e arcos de aço. Atravessaram a Terra-média para confrontar Sauron com um exército tão grande que muitos julgaram ser os Exércitos dos Valar. Mas Sauron, contrariando as expectativas, simulou medo e rendeu-se sem opor resistência, e foi levado cativo pelo rei Ar-Pharazôn. Foi então levado prisioneiro para a ilha de Númenor, e a Terra-Média conheceu um pouco de paz...

Na próxima semana continuaremos com esta história. Agora deixo-vos com uma canção muito apropriada para acompanhar tal relato: Lord of the Rings.


Lord of the rings - Blind Guardian

2 comentários:

  1. Excelente, lady Astreya!

    A saga da criação do Um Anel e as maquinações de Sauron são partes extremamente importantes e interessantes da mitologia criada por mestre Tolkien!

    ResponderExcluir
  2. Nossa muito legal!

    Adoro a história dos anéis. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir