sexta-feira, 24 de junho de 2011

Histórias e Canções - Valfenda

Saudações, nobres visitantes e viajantes que visitam esta humilde taverna. Nesta sexta-feira, estou aqui para falar-lhes novamente sobre a Terra Média e seus encantos, desta vez trazendo-lhes um pouco da história e geografia do belo reino de Valfenda. Talvez fosse melhor dizer "refúgio", já que Valfenda, ou Imladris, é descrito por mestre Tolkien como um local de paz e beleza infinitas, onde os viajantes e seus moradores podem encontrar alívio e harmonia.

Valfenda localiza-se em um vale profundo em Eriador, perto das montanhas nebulosas, e exatamente por isso, é uma espécie de "cidade escondida" (não tanto quanto Gondolin, mas...), guardada por cumes e picos de montanha, a qual se tinha acesso através de escadarias em ziguezague que desciam até o fundo do vale. Por entre a bela cidade corre o rio Bruinen.

É o reduto de Elrond Peredhil, e durante a terceira era torna-se um dos únicos "reinos" élficos de toda a Terra Média, onde estão guardados milhares de história e conhecimento sobre elfos e homens. Além de Elrond lá também residem seus filhos, Elladan, Elrohir e Arwen, sua esposa Celebrían, que após ser sequestrada por orcs decidiu navegar até as Terras Imortais, e muitos outros elfos.

Elrond é um senhor nobre: é irmão de Elros, e filho de Earëndil e Elwing (o famoso casal que levou a Silmaril aos céus e suplicou pelos habitantes da Terra Média aos deuses de Valinor), respectivamente um homem mortal e uma elfa, sendo portanto um meio-elfo. Interessantemente, foi-lhe dada, assim como a seu irmão, a opção de escolha entre a vida élfica ou a mortal. Elrond optou por tornar-se elfo, Elros optou pela mortalidade dos homens (Aragorn descende remotamente de Elros).

Elrond fundou Valfenda (ou Rivendell, no original) no ano de 1697 da segunda era, após Sauron ter devastado Eregion, com o intuito de criar uma fortaleza que pudesse resistir às forças de Sauron. Foi em Rivendell que, no final da segunda era, reuniram-se os exércitos da Última Aliança, comandados por Elendil (grande rei dos humanos de Númenor) e Gil-Galad (filho de Fingon, e último alto rei dos Noldor), de onde partiram para Mordor, numa batalha que culminaria na derrota de Sauron, na morte de Gil-Galad, Elendil e seu filho Anárion.

Graças à ação do anel de Elrond, Vilya, Rivendell tinha características especiais, tais como um retardo na passagem do tempo e uma sensação de bem-estar e vigor renovado sentida por seus habitantes. Os efeitos do anel élfico ainda podiam ser maiores, envolvendo também a cura, como no caso da cura de Frodo ou nas palavras do próprio Bilbo: "Um pouco de sono traz uma grande cura na casa de Elrond, e cura o mais que puder.." (O Hobbit, A Última Etapa).

No ano de 2941 Gandalf, Bilbo e os 13 anões que o acompanhavam Thorin Escudo de Carvalho a Montanha Solitária chegaram a Rivendell. Não puderam permanecer muito tempo no reino élfico, mas puderam desfrutar de momentos de paz e tranqüilidade que já não existiam em outro lugar da Terra Média. E, apesar do pouco tempo, a visita foi suficiente para despertar em Bilbo um grande amor por Rivendell, aonde viria a morar muitos anos mais tarde.

Surgida de remanescentes de Eregion e Lindon (o reino de Gil-Galad), tornou-se um centro de tradição élfica na Terceira Era.

E para acompanhar vossa leitura, nada mais do que a bela canção feita por Howard Shore intitulada "Rivendell". Espero que apreciem, nobres amigos!

Rivendell - Howard Shore

2 comentários:

  1. Excelente história, lady Astreya! Como sempre, cumpristes muito bem teu papel de barda neste nobre espaço.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal! Sempre gostei de Valfenda!

    ResponderExcluir