quinta-feira, 9 de junho de 2011

Histórias de Beleriand: Estereótipos, estereótipos, estereótipos

Hmmm. Quinta-feira. Olá a todos. Deixem-me espantar as moscas deste local (não é Frodo e Odin, tesc, tesc) com mais uma das traduções dos pergaminhos de Maglor. Boa leitura.

N
o centro de recrutamento, magos começam a vasculhar o pátio em busca do intruso invisível. Palavras murmuradas escoam da boca dos conjuradores, fazendo seus olhos brilharem, permitindo visualização além dos sentidos humanos.

Em algum lugar do forte, o sargento Ber grita.

Rhenuliu precisa pensar rápido. As saídas estão bloqueadas. Todos parecem estar procurando-no. Ele percebe, no canto sudeste, que um grupo está parado, escutando um oficial fazer um pronunciamento, alheio à comoção geral. Rapidamente ele se dirige para lá e se infiltra entre os recrutas e aparece o mais discretamente possível.

Erick olha para o lado e vê que um elfo surgiu repentinamente ao seu lado. Ele percebe algumas pedras no bolso do inesperado elfo e deduz quem jogou a pedra que o ajudara a fugir do sargento Ber.

— Ei amigo, acho que é você que todos estão procurando.

— Hum... err...acho que não. Quer dizer, nem sei do que você está falando.

— Fique tranqüilo, não vou te denunciar. Você me poupou de um bocado de trabalho, querendo ou não, então farei o mesmo por você. Sou Erick.

Rhenuliu olha desconfiado para Erick, mas percebe que está falando a verdade.

— Chamo-me Rhenuliu. Obrigado.

Nesse momento, o oficial que estava discursando diz:

— Então, recrutas, essas missões são extremamente difíceis e somente para os mais experientes, mas são essências para o sucesso da guerra contra Morgoth. Os vitoriosos serão muito bem recompensados. O grupo que trouxer provas do que aconteceu com as cidades dos anões de Nogrod e Belegost, e quem foi o responsável, receberá 100.000 peças de ouro do reino, a serem divididas entre os sobreviventes. Já os que conseguirem resgatar o paladino Aldarion receberão 1.000.000 de peças de ouro e serão sagrados cavaleiros do reino, com direito a propriedades e um lugar à corte do rei Elessar.

— Um milhão de peças de ouro... um milhão. Ei, tenente, nós iremos encontrar o paladino, pode registrar aí, — grita Erick, dando um tapinha nas costas de Rhenuliu.

— O quê!? — Grita Rhenuliu. Mas já era tarde. Erick havia corrido para frente e estava escrevendo seu nome em um pergaminho.

— Como se escreve Rhenuliu? — ele grita por sobre o ombro.

Rhenuliu puxa Erick para um canto e fala por entre os dentes:

— Como assim nós?! Nem nos conhecemos. Não me inclua em seu grupo. Além disso, não podemos fazer nada só nós dois!

— É claro que nos conhecemos. Eu sou Erick e você é o Rhenuliu. Estou te fazendo um favor. Você quer ficar aqui até que te encontrem ou sair discretamente conosco. Além disso, não estamos sozinhos. Temos companheiros.

Erick vira para trás e aponta para um grupo que o seguiu:

— Pessoal, este é o Rhenuliu. Rhenuliu, esta é Zingara, este é Reidan, este é Rudolph...

— o Magnífico! Rudolph complementa.

— Sim, sim, este é Rudolph, o Magnífico, e este é Mastor Kyrk.

Rhenuliu olha para todos. Rhenuliu olha ao redor. Rhenuliu percebe que ainda está com sérios problemas.

Mas, Rhenuliu pensa, pelo menos são problemas que não envolvem sargentos que gritam.

3 comentários:

  1. Hahaha, muito bom! Lembro-me do saudoso Erik, da bela Zingara, do insuportável Rudolf e do bizarro Mastor; além de Rhenuliu, é claro.

    E realmente tenho saudades de ALGUNS deles.

    ResponderExcluir
  2. Saudoso Rhenuliu...putz foi em 2006... to ficando velho mesmo rsss

    ResponderExcluir