sexta-feira, 8 de abril de 2011

Histórias e Canções - Silmarilli (parte II): Lúthien e Beren

Saudações, nobres visitantes e viajantes de Elgalor! Aqui estou novamente para dar minha humilde colaboração aos nossos Reinos, contando-lhes a continuação da bela história das Silmarilli, as gemas que brilhavam com luz própria provinda das árvores sagradas de Vallinor, parte importante da mitologia de J.R.R. Tolkien.

... Depois de roubar as Silmarilli, Morgoth as engastou em uma coroa de ferro, e passou a usá-las em sua cabeça, ainda que as pedras constantemente o queimassem e o fizessem sentir dor. Por ter segurado as pedras em suas mãos, teve uma delas enegrecida, e por isso também ficou conhecido como O Mão Negra.

Milhares foram os conflitos que Morgoth enfrentou e provocou ainda com as Silmarilli na fronte. Eventualmente, no entanto, as gemas foram resgatadas. Como personagens centrais no resgate da primeira delas estão a elfa Lúthien e o humano Beren, possivelmente os amantes mais famosos de toda a mitologia da Terra Média, história que ecoa na Guerra do Anel por meio do relacionamente entre a elfa Arwen e o mortal Aragorn.

Lúthien nasceu da união entre Thingol, um elfo, Rei de Doriath e de Melian, uma Maia. Diz-se que era a mais bela de todos os Filhos de Eru, uma princesa das florestas. Beren era filho do humano Barahir, um dos senhores dos humanos que anteriormente salvou a vida do elfo Finrod (um dos filhos de Fëanor) e lutou em uma guerrilha contra as forças de Morgoth.

Certa vez, enquanto Lúthien dançava e cantava nos bosques de Doriath, encontrou Beren, um mortal, que lá vagava depois de ter enfrentado duras provações. Ele então ficou estático, e ela fugiu dele, mas retornou. E ele então chamou-a de Tinúviel, que significa Rouxinol, pela beleza de seu canto. Os dois apaixonaram-se profundamente, mas Thingol, o pai de Lúthien, não aprovou o relacionamento dos dois, e inclusive ofendeu Beren. Ele então, tencionando afastar o humano de sua preciosa filha, ofereceu uma condição para que Beren conseguisse a mão de Lúthien, propondo-lhe uma missão que certamente o mataria: Beren deveria resgatar uma Silmaril da coroa de Morgoth, o Senhor do Escuro. Embora a tarefa fosse quase impossível, ele partiu assim mesmo.

Lúthien foi decisiva nessa missão, e graças a sua ajuda e a de Huan, um cão dos Valar, extremamente forte e temido, Beren conseguiu, com muito sofrimento, realizar a contenda de Thingol. Beren foi tomado prisioneiro na fortaleza de Angband, mas Lúthien chegou aos portões da fortaleza e pôs para dormir o lobo infernal Carcharoth, e o casal assim chegou diante do trono de Morgoth.

Lá, Lúthien cantou e hipnotizou o monstro, e dessa forma Morgoth dormiu, sonhando com a escuridão de antes do mundo. Foi então que Beren conseguiu resgatar uma Silmaril de sua coroa. Quando chegaram aos portões de Angband, no entanto, os amantes foram surpreendidos por Carcharoth, que acabou por abocanhar a mão de Beren, que segurava a silmaril. Ali mesmo, Lúthien salva Beren da ferida venenosa de Carcharoth, e os dois conseguem escapar e voltar para Doriath, porém sem a silmaril. Após o retorno deles, é organizado em Doriath uma caçada a Carcharoth, que estava enloquecido, pois em suas entranhas queimava a silmaril.





Durante a caçada, porém, Beren acaba sendo ferido mortalmente pelo lobo, e Huan e Carcharoth travam um combate, no qual Huan acaba matando o lobo e sai ferido. E ali mesmo, nas florestas de Doriath, Huan e Beren acabam perecendo. Lúthien então pediu que Beren a esperasse nos Palácios de Mandos (deus dos mortos) onde aguardam os espíritos dos falecidos para serem julgados. Lúthien então morreu e passou para os Palácios de Mandos, mas não parou nos locais designados aos Elfos: foi diretamente ao próprio Mandos, o Juíz dos Mortos. Lá ela cantou uma canção, "a mais bela canção jamais criada em palavras", e nela ela colocou todo o pesar de humanos e elfos.

Mandos era conhecido por ser um tanto impiedoso, e jamais se comover, mas, como é dito em O Silmarillion, "enquanto estava ajoelhada diante dele, suas lágrimas caíram sobre os pés de Mandos como chuva sobre as pedras. E Mandos se comoveu, ele, que nunca se comovera desse modo até então, nem depois." Mandos então consultou Manwë, rei dos Valar e de Arda, e ele deu duas opções para Lúthien: ou ela retornava à vida imortal para viver só em Aman, ou ela voltava à Terra-média como mortal, junto com Beren. Obviamente, foi a última opção a que ela escolheu. Assim, Lúthien e Beren passaram a viver na Terra-média uma vida reclusa, evitando qualquer contato com homens,elfos ou anões. Tiveram um filho, chamado de Dior Eluchíl. A silmaril por eles resgatada ficou com Earëndil nos céus (essa bela história um dia ainda contarei por completo aqui...)

Quanto as outras duas que permaneciam com Melkor, estas só foram tiradas de sua coroa ao final da Guerra da Ira, a última guerra contra o primeiro Senhor do Escuro, pelas mãos de um vassalo de Manwë, rei dos Valar. Contudo, as duas últimas foram, ocasionalmente roubadas pelos filhos remanescentes de Fëanor, Maedhros e Maglor, presos a seu sofrido juramento, mas as Silmarilli queimaram suas mãos graças a todos os atos dos quais eles haviam participado para recuperar as jóias. Em agonia, Maedhros atirou-se, junto da Silmaril, em um poço de fogo, e Maglor atirou a sua pedra no mar.

Assim, as pedras permanecem nos três elementos: ar (viajando com Eärendil, nos céus); terra (no fundo do poço de fogo); e água (no fundo do mar). De acordo com a Profecia de Mandos, prevendo o retorno de Morgoth e sua derrota na Dagor Dagorath, a Batalha das Batalhas, o mundo mudará e as Silmarilli serão recuperadas pelos Valar. Então Fëanor será libertado dos Salões de Mandos, e dará as Pedras à Yavanna, que as quebrará e, com sua luz, reviverá as Árvores, e as montanhas Pelóri, que protegem o litoral leste de Aman, serão aplainadas, para permitir que a luz das Árvores encha o mundo em felicidade eterna.

Deixo-vos hoje com a bela balada de Leithian (a canção que conta a história de Beren e Lúthien) interpretada pela banda russa Caprice.

4 comentários:

  1. Depois tem gente que não entende quando eu falo que amor é o tema das maiores histórias da literatura mundial.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente contigo, nobre Dragão. Plenamente.

    ResponderExcluir
  3. Concordo convosco!

    O relacionamento de Beren e Luthien é deveras um dos mais belos jamais criados, e é uma de minhas passagens favoritas em toda a grande obra do mestre Tolkien.

    Parabéns por mais um excelente pergaminho, lady Astreya!

    ResponderExcluir