quinta-feira, 28 de abril de 2011

Histórias de Beleriand: A Linhagem de Prata

Espero que apreciem esta triste história. Boa noite e boa leitura, caros amigos.

A Linhagem de Prata

A
urora olhou profundamente nos olhos prateados de Anakaris e começou a soluçar levemente. Anakaris continuava olhando para a donzela sem entender o que a havia entristecido tanto. Após alguns minutos, Aurora disse, sem raiva ou rancor, apenas resignada:

— Foi você que causou a morte de meu marido. Agora não tenho ninguém e todo o meu povo se foi enquanto dormia.

— Como assim, bela Aurora? Não enfrento nenhum humano em combate há várias décadas.

— Eu não disse que você o matou, mas sim que causou sua morte. Meu marido foi mandado para o Norte logo após nosso casamento e, apesar de minha insistência, não dizia por que tinha de ir. Implorei para que ficasse, mas ele disse que eu estaria segura e que nos encontraríamos novamente, um dia. Eu acho que nós dois sabíamos que ele não voltaria. Alguns meses depois, seus companheiros de viagem voltaram e contaram-me que ele havia morrido afogado por Náiades.
Limneida

— Continue, disse Anakaris, temendo o que viria a seguir.

— Eu ouvi todas as histórias que você me contou enquanto eu dormia, mas não queria acordar. Até ouvir falar do Lago Helevorn. Foi lá que meu marido encontrou seu destino. E quando você disse que teve que soltar algumas Limneidas do cativeiro para olhar no Espelho de Helevorn, eu soube. Foram elas que afogaram meu querido Nathan.

Lágrimas voltaram a escorrer do rosto de Aurora. Anakaris olhou para ela com uma profunda tristeza e disse:

— Eu sabia que haveria um preço a pagar, mas nunca imaginei isto. Eu compartilho de sua dor, querida Aurora. Não posso trazer Nathan de volta, mas peça o que quiser, até minha vida, que vo-lo darei para minimizar sua dor.

— Senhor, não desejo sua vida. O que mais desejava, e ainda desejo, embora sem esperanças, eram filhos que me amassem e dos quais poderia cuidar, ver crescer e amar. Agora meu marido se foi. Então, se pudesse pedir algo, seriam filhos, frutos do meu ventre. Eu sei que dragões podem assumir forma humana, de acordo com as velhas lendas, e deitar-se com donzelas. Poderás dar-me filhos?

— O que me pedes, Aurora, é muito sério. Mas se é o teu desejo, assim o farei. Dar-te-ei filhos e deles cuidarei. Acredito ser este o nosso destino, embora cruel. Sei que nunca poderá amar-me como lhe amo, sem se lembrar da tragédia que ocasionei.
..........................................................................................................................................................

Assim nasceu a Linhagem de Prata. Anakaris e Aurora uniram-se e tiveram sete filhos: Nathan, Anakaris I, Helena, Gregor, Hilda, Soren e Donovan. Anakaris construiu uma grande morada para os dois, no local onde havia encontrado Aurora dormindo, o qual, dali alguns anos, se tornaria a capital do Reino de Sirion. Aurora morreu 19 anos depois, em paz, tendo cumprido os anseios de sua alma. Anakaris permaneceu com seus filhos até sua morte, na Primeira Grande Batalha de Sirion, mas nunca mais assumiu a forma de dragão.

3 comentários:

  1. Muito bom, nobre Aramil! Tu poderias facilmente ser um escaldo ou historiador se desejasses!

    ResponderExcluir
  2. Triste, mas linda! Gostei muito mesmo.

    ResponderExcluir