sábado, 5 de março de 2011

Grupos de Armas

Um guerreiro leva anos para aprender a manusear bem uma espada, quase uma década para se tornar um mestre em arquearia e caso deseje aprender a lutar bem com uma lança, precisará de muitos mais anos de treino.

Em campanhas de D&D (não estou de modo algum desmerecendo o sistema), um bárbaro experiente pode passar a vida inteira usando apenas seu machado, mas quando pegar um arco longo na mão, se mostrará um grande atirador, mesmo que esteja dando seu primeiro disparo, pois seu bônus de base de ataque se aplica de forma igual a ambas as armas.

Caso este tipo de situação incomode mestres e jogadores que buscam algo mais verossímil com regras simples e sem precisar trocar o sistema de jogo, os Grupos de Armas são uma boa opção.

A regra opcional dos Grupos de Armas determina que cada classe possui um número fixo de tipos de armas (machados, lanças arcos...) que um personagem sabe utilizar bem, usando seu bônus de base de ataque sem penalidades. Sempre que o personagem usar uma arma fora de seu grupo de armas, ele estará sujeito a uma penalidade de -4 nas jogadas de ataque, e poderá fazer apenas um único ataque por rodada. Esta regra afeta pouco personagens conjuradores (que dificilmente usam armas) e valoriza a habilidade de certas raças (como os elfos) de manusear certas armas. Um personagem que deseja aprender a usar um novo grupo de armas pode adquirir o talento Usar Arma de acordo com o grupo de armas que lhe interessa. (ex: Usar Machados de duas mãos)

Todos os personagens sabem usar adagas, punhais, porretes, bordões e bestas de mão. Os outros grupos de armas disponíveis são:

• Espadas de uma mão
• Machados de uma mão
• Espadas de duas mãos
• Machados de duas mãos
• Armas de Esmagamento (martelos, maças, clavas e manguais)
• Armas de Haste (lanças e lanças machado e foices)
• Armas exóticas de monge
• Arcos
• Armas duplas
• Armas de longo alcance (correntes, chicotes)

De acordo com sua classe, o personagem sabe manusear um certo número de armas ou grupos de armas:

• Bárbaros: 6 grupos de armas
• Bardos: 2 grupos de armas (restrição: armas de duas mãos)
• Clérigos: apenas armas de esmagamento e a arma favorita da divindade (caso possua o domínio da guerra)
• Druidas: apenas espadas de uma mão e foices
• Feiticeiros: 1 grupo de armas (restrição: armas de duas mãos)
• Guerreiros: 8 grupos de armas
• Ladinos: 2 grupos de armas (restrição: armas de duas mãos)
• Magos: nenhum
• Monges: apenas armas exóticas de monge
• Paladinos: 6 grupos de armas
• Rangers: 6 grupos de armas

16 comentários:

  1. Muito legal Odin! Fica mais verossímil mesmo, deixa mais coerente. Belo post!

    ResponderExcluir
  2. joguem GURPS... somente isso que vos digo...

    HUAHUAHUAHUAHUAHUAHU

    blog ta rlz!

    ResponderExcluir
  3. Essa questão das armas no Gurps é mesmo interessante, uma vez que o uso de cada tipo de arma arma é na verdade uma perícia específica. Mas é por isso que as adaptações do Odin nos Reinos de Elgalor Existem! rsss

    ResponderExcluir
  4. Achei muito interessante a maneira como foi conduzido o trabalho. Parabéns. Mas quando lidamos com armas exóticas que não são de monge? quero dizer, manusear uma katana (espada bastarda oriental) é diferente de manusear seu contra-parte inglês, assim como o florete francês é diferente do sabre sarraceno... e todas são espadas.

    ResponderExcluir
  5. Interessante observação, Valberto. Como o manuseio da katana é semelhante ao de espadas como a claymore escocesa e a falcione sarracena(que normalmente são empunhadas usando-se as duas mãos), eu particularmente considero a katana dentro do grupo das espadas de duas mãos.

    Contudo, se o mestre julgar mais sábio, ele pode considerá-la uma arma exótica, e requerer o talento Usar Arma Exótica normalmente.

    ResponderExcluir
  6. nun é mais facil jogar gurps em vez de adaptar D&D? AHUHUAHUA

    mas whatever... ta um bom trabalho de qq forma

    ResponderExcluir
  7. Hahaha, é uma boa observação! Há verdade em tuas palavras...

    Mas como D&D é um jogo mais ágil (e o sistema que atualmente jogamos), optamos pela adaptação.

    ResponderExcluir
  8. Por favor, Odin, não nos faça jogar Gurps!!!!!! Nãããão!!! Não houve uma vez em que meus D6s não colaboraram e continuaram tirando 5 e 6!

    Brincadeiras a parte, eu acho que o objetivo do Odin é fazer adaptações ao sistema que já jogamos (e gostamos) com base no que ele observou ao longo dos anos em que mestrou, e não trocar de sistema, hehehe.

    ResponderExcluir
  9. Gurps é um sistema muito legal... Creio q seja o meu favorito também...Acho extremamente coerente. Porém, com relação ao cenário de Fantasia-medieval, D&D é muiitooo rico, o que facilita a vida, uma vez que existem inúmeros cenários, monstros e divindades à disposição do mestre e jogadores.

    De qualquer forma, os meus 3 sistemas favoritos: Gurps, Vampiro e D&D tem suas vantagens e desvantagens em questão de regras e ambientação. Entretanto o que vai tornar a aventura boa ou não é o conjunto MESTRE-Jogadores. Conheço pessoas que jogam 3D&T e não trocam o sistema por nada, se divertindo tanto quanto os que jogam D&D ou GURPS.

    ResponderExcluir
  10. Eu, particularmente, não consegui gostar do Gurps (por favor, não atirem pedras em mim!!), mas concordo com o que você disse, Frodo. E também, nada impede que possamos unir as características que mais nos agradam em cada sistema e adaptá-las a um modo de jogo que nos agrade (nesse caso, tendo como base nosso sistema favorito).

    ResponderExcluir
  11. Concordo com ambos. O que realmente importa é o "conjunto mestre- jogadores", como disse o sábio Frodo.

    ResponderExcluir
  12. ultimamente ta dificil achar um bom conjunto de "jogadores"... mestre ta sobrando... tem 2 e nenhum jogador decente! mas D&D de fato tem mto material pronto, cenarios e bla bla, mas no meu caso, eu adptaria os cenarios pra gurps em vez de adpatar as regras do D&D, parece q existe uma adpatação de whitewolf pra gurps! aproveita-se o melhor de cada! mas sem jogadores, de nada vale

    ResponderExcluir
  13. Quando vc vier novamente pra londrina a gente marca uma aventura especial rss

    ResponderExcluir
  14. jogo de fantasia, onde cada um pode ser o que quer e fazer coisas inimaginaveis, isso é d&d jogo rapido e nao maçante divertido e nao aquele jogo demorado que da sono, deve ser por isso que nao acham bom jogadores,

    ResponderExcluir